Contactos
Escola Secundária Júlio Dantas, Largo Prof Egas Moniz 8600-904 Lagos
282770997

Oferta Formativa

Consulte informações sobre a oferta formativa

Documentos

Consulta e download de documentos e formulários.

Legislação

Consulte a legislação em vigor

PLANO DE FORMAÇÃO

Pode consultar o Plano de Formação 2022-2023 no separador DOCUMENTOS desta plataforma digital.

DIVULGAÇÃO

185

A ação inclusiva das Equipas Educativas na operacionalização da Articulação Curricular baseada no Perfil dos Alunos e nas Aprendizagens Essenciais
Professores de todos os grupos de docência do AE Júlio Dantas

Curso

 

15.0 horas

 

e-learning

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Moodle do CFAE Rui Grácio

Considera-se de extrema importância, após o foco dos últimos anos em práticas que estimulam uma avaliação fortemente reguladora e estimuladora do desenvolvimento de competências do Perfil dos Alunos à saída da Escolaridade Obrigatória, que todas estas dinâmicas de desenvolvimento curricular sejam ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1306.1 Inscrições abertas até 12-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-118534/22

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 15.0 horas

Início: 13-02-2023

Fim: 15-05-2023

Regime: e-learning

Local: Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Teodolinda Rosa Magro da Cruz

Marta Susana Pereira Procópio

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e PNPSE - Programa Nacional de Promoção do Sucesso Escolar (DGE)

Razões

Considera-se de extrema importância, após o foco dos últimos anos em práticas que estimulam uma avaliação fortemente reguladora e estimuladora do desenvolvimento de competências do Perfil dos Alunos à saída da Escolaridade Obrigatória, que todas estas dinâmicas de desenvolvimento curricular sejam percecionadas e geridas de modo integrado. A implementação da Autonomia e Flexibilidade Curricular de acordo com o previsto pelo Decreto-Lei n.º 55/2018, de 6 de julho, estimula a formação de Equipas Educativas docentes, no âmbito dos Conselhos de Turma, como forma de promover o essencial trabalho de articulação curricular baseado em práticas interdisciplinares, multidisciplinares e transdisciplinares, atendendo às Aprendizagens Essenciais e ao Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. É fundamental o trabalho conjunto dos docentes sobre os conceitos fundamentais e operações cognitivas comuns do currículo, bem como a reflexão sobre implementação partilhada de estratégias de trabalho e avaliação por forma a aprofundar práxis de diferenciação pedagógica, permitindo uma ação educativa inclusiva. Deste modo, pretende esta oficina de formação exponenciar esta partilha a desenvolver no interior do Conselho de Turma no decurso do todo o ano letivo. Pretende-se que o desenvolvimento da profissionalidade docentes seja colocada ao serviço da necessidade de recuperar as aprendizagens mais afetadas no decurso do período pandémico, garantindo maior equidade e inclusão educativas.

Objetivos

- Listar e apresentar os conceitos fundamentais da planificação anual comum de Conselho de Turma. - Listar e apresentar as operações cognitivas a desenvolver na planificação anual, tendo em conta a especificidade dos seus alunos. - Elencar para cada conceito fundamental e operação cognitiva, escolhidos os conhecimentos pré-existentes nos alunos que assegurem a ponte com o nível de aprofundamento que se pretende desenvolver como forma de construção de aprendizagens significativas. - Listar os domínios/conteúdos comuns a todas as disciplinas a abordar. - Descrever de modo objetivo as competências que se pretende que os alunos desenvolvam, fazendo coincidir o objeto de ensino com o objeto de avaliação. - Definir cada uma das atividades referentes ao aprofundamento do conceito fundamental/operação cognitiva. - Definir os procedimentos de avaliação escolhidos. - Meta avaliar procedimentos relativos às atividades anuais comuns realizados pelo Conselho de Turma.

Conteúdos

1- Contextualização da formação e apresentação do programa do curso. 2- Construto da articulação curricular, enquadrando-o no corpus científico da teoria do desenvolvimento curricular. 3- Operacionalização dos conceitos fundamentais comuns a inserir na planificação partilhada de turma, tendo por base as Aprendizagens Essenciais das áreas disciplinares/disciplinas. 4- O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e as operações cognitivas identificadas nos respetivos Descritores Operativos. 5- Confluência dos documentos essenciais do currículo (Perfil dos Alunos; Aprendizagens Essenciais e Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania). 6- Operações cognitivas a privilegiar na planificação partilhada de turma de acordo com cada conceito comum definido a ser trabalhado no decurso do ano letivo pelas diferentes áreas disciplinares/disciplinas. 7- Modalidades, instrumentos e técnicas de avaliação formativa, sumativa e de remediação/desenvolvimento. 8- Procedimentos da meta avaliação relacionada com a planificação, execução e avaliação das atividades da planificação comum implementada. 9- Planificação final de grupo de alunos/ ano de escolaridade para articulação dos conceitos fundamentais do currículo, operações cognitivas, estratégias de trabalho e de avaliação; ii) os resultados alcançados pelos alunos; iii) as reflexões finais sobre este tipo de articulação curricular, relativamente à possibilidade deste trabalho se tornarem “rotina”, no interior dos Conselhos de Turma/Ano e às vantagens e desvantagens desta modalidade de articulação curricular. 10- Avaliação dos formandos e do curso de formação.

Metodologias

SESSÕES ONLINE SÍNCRONAS - Exposição dos conteúdos teóricos, valorizando a reflexão sobre as práticas dos formandos. - Estímulo a práticas profissionais reflexivas assentes em teoria validada cientificamente e na experimentação em sala de aula. - Reflexão nas sessões síncronas sobre as dificuldades inerentes à aplicação prática do construto de Articulação Curricular. - Recurso à plataforma digital Moodle® do CFAE, ao Google Drive® e Plataforma Zoom® Trabalho complementar: - Complementar o trabalho realizado na sessão síncrona 1, 2 e 3 por forma a ficarem totalmente definidos os conceitos comuns fundamentais escolhidos, de acordo com as Aprendizagens Essenciais das várias áreas disciplinares/disciplinas, bem como as operações cognitivas do Perfil dos Alunos e as estratégias de trabalho e de avaliação. - Complementar o trabalho realizado na sessão síncrona 4 por forma a aplicar-se a planificação concebida às turmas e preparar a apresentação relativa à implementação da planificação de Turma gizada. DISTRIBUIÇÃO DA CARGA HORÁRIA PELAS DIVERSAS TAREFAS Sessão 1 – 3 horas 1. Contextualização da Formação 1.1 Apresentação do cronograma do curso de Formação 1.2 Apresentação e breve discussão sobre objetivos, tarefas e objeto da avaliação relativos 1.3 Apresentação e experimentação das funcionalidades das ferramentas digitais que servirão de suporte à formação: Moodle®, Zoom® e Google Drive® 2. Criação dos grupos de formandos a integrar cada um dos Concelhos de Turma/Ano/Grupo da Educação Pré-Escolar e do 1.º aos 12.º anos de escolaridade 2.1 Exploração teórica do construto de articulação curricular enquadrando-o no corpus científico da teoria do desenvolvimento curricular 2.2 Trabalho de grupo em diferentes salas simultâneas da Plataforma Zoom® (uma sala por cada Conselho de Turma) por forma a desenvolver-se o trabalho relativo à escolha e operacionalização dos conceitos fundamentais comuns a inserir na planificação partilhada de turma, tendo por base as Aprendizagens Essenciais das áreas disciplinares/disciplinas 2.3 Regresso à sessão principal da Plataforma Zoom® para apresentação das principais conclusões de cada Conselho de Turma 2.4 Introdução da planificação comum de turma esboçada por cada grupo na pasta da formação do Google Drive®, para acesso a todos permitindo a continuidade do trabalho autónomo a realizar até à sessão síncrona 2 Sessão 2 – 3 horas 1. Discussão sobre o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória por forma a promover reflexão sobre o modo concreto como este documento fundamental do currículo é usado pelos formandos 2.1 Criação de dez grupos a dividir por dez salas simultâneas da Plataforma Zoom® por forma a que cada grupo enumere para cada uma das dez áreas de competências do Perfil dos Alunos as operações cognitivas identificadas nos respetivos Descritores Operativos 2. Regresso à sessão principal da Plataforma Zoom®. Apresentação e discussão do trabalho realizado por cada grupo e registo escrito na pasta do Google Drive® de um documento síntese 3. Trabalho de grupo juntando os elementos de cada Conselho de Turma/Ano/Grupo em diferentes salas simultâneas da Plataforma Zoom®, por forma a selecionarem as operações cognitivas a privilegiar na planificação partilhada de turma de acordo com cada conceito comum definido a ser trabalhado no decurso do ano letivo pelas diferentes áreas disciplinares/disciplinas 3.1 Regresso à sessão principal da Plataforma Zoom® para breve partilha relativa às operações cognitivas do Perfil dos Alunos selecionadas Sessão 3 – 3 horas 1. Reflexão sobre a necessidade de haver uma intencional confluência dos documentos essenciais do currículo (Perfil dos Alunos; Aprendizagens Essenciais e Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania) 2. Discussão sobre as práticas docentes por forma a ficar clara a importância de serem tomadas decisões sobre o que se pretende avaliar, antes mesmo da escolha de estratégias de trabalha, por forma a planificar harmoniosamente os momentos de aprendizagem e de avaliação 3. Trabalho de grupo juntando os elementos de cada Conselho de Turma/Ano/Grupo em diferentes salas simultâneas da Plataforma Zoom®, por forma a escolherem as estratégias de trabalho comuns a privilegiar na planificação de turma relativamente ao desenvolvimento de cada operação cognitiva escolhida a partir do Perfil dos Alunos e dos conceitos comuns definidos a partir das Aprendizagens Essenciais 4.1. Regresso à sessão principal da Plataforma Zoom® para breve partilha relativa às estratégias de trabalho selecionadas para a planificação comum Sessão 4 – 3 horas 1. Breve discussão relativa aos modos de proceder à ancoragem de conhecimentos prévios dos alunos que permitam desenvolver aprendizagens significativas, para garantir aprendizagens de qualidade 2. Reflexão sobre os procedimentos e momentos em que irá ocorrer a meta avaliação relacionada com a planificação, execução e avaliação das atividades da planificação comum implementada 3. Trabalho de grupo juntando os elementos de cada Conselho de Turma/Ano/Grupo em diferentes salas simultâneas da Plataforma Zoom®, por forma a escolherem as modalidade, instrumentos e técnicas de avaliação formativa, sumativa e de remediação/desenvolvimento a implementar, bem como a definirem a calendarização anual das atividades a desenvolver de modo partilhado na planificação comum de turma 4. Regresso à sessão principal da Plataforma Zoom® para breve partilha do trabalho realizado Sessão 5 – 3 horas 1. A última sessão decorrerá próxima do final do ano letivo ou após o final de um período/semestre, por forma a permitir apresentar o trabalho realizado por cada Conselho de Turma/Ano/Grupo com as respetivas crianças e alunos. 2. Apresentar e discutir em sessão síncrona conjunta na Plataforma Zoom®: i) a planificação final de grupo de alunos/ ano de escolaridade para articulação dos conceitos fundamentais do currículo, operações cognitivas, estratégias de trabalho e de avaliação; ii) os resultados alcançados pelos alunos; iii) as reflexões finais sobre este tipo de articulação curricular, relativamente à possibilidade deste trabalho se tornarem “rotina”, no interior dos Conselhos de Turma/Ano e às vantagens e desvantagens desta modalidade de articulação curricular.

Avaliação

Os participantes procedem à apresentação de um relatório crítico sobre o trabalho desenvolvido e sua importância, quer na motivação, melhoria das aprendizagens, desenvolvimento global dos alunos, quer na melhoria da profissionalidade docente. Avaliação final do formando: • Ponderações: 25% participação nas sessões e 75% para os trabalhos desenvolvidos e relatório final do formando. Para a avaliação final individual de cada professor será usada uma escala quantitativa de 1 a 10 valores: Excelente - de 9 a 10 valores; Muito Bom - de 8 a 8,9 valores; Bom - de 6,5 a 7,9 valores; Regular – de 5 a 6,4 valores; Insuficiente – de 1 a 4,9 valores. A classificação final e as horas de formação para a progressão na carreira docente constarão no certificado final a emitir pelo Centro de Formação.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação, com base num guião próprio do CFAE

Bibliografia

Alves, J.M., Roldão, M.C. (2018). Articulação Curricular. O que é? Como se faz? Dos conceitos às práticas possíveis. VilaNova de Gaia: Fundação Manuel Leão. Ausubel, D. et al. (1978). Educational Psychology - a Cognitive View. New York: Holt, Rineahrt and Winston. C. Cosme, Ariana. (2018). Autonomia e Flexibilidade Curricular. Propostas e Estratégias de Ação. Porto Editora. Roldão, M.C. (2009). Estratégias de Ensino. O saber e o agir do professor. Vila Nova de Gaia: Fundação Manuel Leão. Tyrack, D. Tobin, W. (1994). The “grammar” of schooling: why has is been so hard to change? London: SAGE.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 13-02-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
2 27-02-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
3 13-03-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
4 17-04-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona
5 15-05-2023 (Segunda-feira) 18:00 - 21:00 3:00 Online síncrona

INSCREVER-ME
172

Avaliação Pedagógica II: Projetos de Intervenção nos domínios do ensino, aprendizagem e avaliação
Educadores de Infância; Professores de todos os grupos de recrutamento;

Oficina

 

50.0 horas

 

b-learning

 

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

A avaliação pedagógica tem assumido uma centralidade inegável nas políticas educativas e curriculares, com efeitos concretos nas práticas de ensino e aprendizagem, designadamente na promoção do “sucesso escolar”. A publicação do Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho, consagra mudanças significativas ao ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1109.1 Inscrições abertas até 12-02-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117919/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 14-02-2023

Fim: 28-03-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Ana Paula Fernandes Campôa

Maria da Glória Carriço de Santana Paula

Paulo Alexandre da Silva Martins Soares

Destinatários

Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores do Ensino Básico, Secundário e Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Projeto MAIA

Razões

A avaliação pedagógica tem assumido uma centralidade inegável nas políticas educativas e curriculares, com efeitos concretos nas práticas de ensino e aprendizagem, designadamente na promoção do “sucesso escolar”. A publicação do Decreto-Lei nº 55/2018, de 6 de julho, consagra mudanças significativas ao nível do currículo, assumindo um dos seus princípios orientadores: a “afirmação da avaliação das aprendizagens como parte integrante da gestão do currículo enquanto instrumento ao serviço do ensino e das aprendizagens”. Refere ainda o caráter formativo da avaliação pedagógica como um dos pilares da melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem. Importa, pois, que os professores consolidem estas mudanças de modo contextualizado e que aprofundem competências e conhecimentos inerentes ao processo de avaliação das aprendizagens, nomeadamente, através de desenvolvimento de projetos pedagógicos e didáticos em torno de práticas de avaliação formativa, feedback e participação, critérios de avaliação e processos de recolha de informação. Deste modo, visa-se capacitar e apoiar os docentes para a construção dos recursos inovadores necessários e ajustados aos seus contextos educativos específicos, promovendo-se ainda a implementação e análise dos mesmos, tendo em vista o seu aperfeiçoamento ou reformulação.

Objetivos

• Contribuir para o desenvolvimento de competências e conhecimentos no domínio da avaliação, em geral, e da avaliação pedagógica, em particular, congruentes com o real conteúdo das orientações constantes nos documentos legais; • Promover práticas de trabalho colaborativo e cooperativo na construção e desenvolvimento de projetos de avaliação pedagógica em contexto de sala de aula; • Elaborar recursos educativos de suporte ao desenvolvimento dos projetos de avaliação pedagógica; • Permitir a troca de materiais e experiências, o esclarecimento de dúvidas e a geração de ideias e projetos de natureza pedagógica e didática; • Incrementar práticas de formação de natureza investigativa que confiram competências aos professores para lidar com a mudança e a inovação no âmbito da avaliação pedagógica.

Conteúdos

1. Enquadramento curricular: documentos de referência – 3 horas; 2. Natureza e Fundamentos da Avaliação - 3 horas; 3. Avaliação formativa e avaliação sumativa - 3 horas; 4. Feedback: natureza, distribuição e utilização por alunos e professores-alunos - 3 horas; 5. Aprendizagens Essenciais, Critérios de avaliação, Descritores de Níveis de Desempenho e de Standards. - 3 horas; 6. Processos de recolha de informação - 3 horas; 7. Apresentação, discussão e avaliação dos projetos de intervenção desenvolvidos no âmbito da oficina - 7 horas.

Metodologias

Sessões Presenciais conjuntas: Nas sessões presenciais os formandos desenvolverão trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da construção de projetos e de materiais para a respetiva implementação em contexto real de aprendizagem, assim como a reflexão crítica, a par e passo, sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas. Trabalho Autónomo: O trabalho autónomo pretende-se que seja realizado em contexto real de aprendizagem com o desenvolvimento e a aplicação dos projetos pedagógicos e didáticos, assim como dos materiais elaborados numa lógica de investigação-ação, sendo criada uma comunidade de prática. Neste âmbito, os formandos desenvolverão trabalho colaborativo e cooperativo, com o devido enquadramento teórico, em torno da análise de instrumentos e melhoria de materiais para a respetiva implementação em contexto real de aprendizagem, assim como a reflexão crítica, a par e passo, sobre os resultados obtidos e as mudanças que deverão ser adotadas.

Avaliação

De acordo com o RJFCP – Decreto-Lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro - e nos termos dos nºs 5 e 6, do artigo 4.º do Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio, valorizando-se uma lógica formativa e de acompanhamento. Assim, a avaliação dos formandos terá incidência: (1) Na participação e no trabalho contínuo realizado ao longo das sessões presenciais; (2) Na componente de trabalho individual, tendo em conta a qualidade dos projetos e materiais produzidos e apresentados em plenário.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Fernandes, D. (2021). Para uma fundamentação e melhoria das práticas de avaliação pedagógica no âmbito do Projeto MAIA. Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Fernandes, D. (2021). Para a Conceção e Elaboração do Projeto de Intervenção no Âmbito do Projeto MAIA. Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Fernandes, D. (2021). Para um enquadramento da formação de professores. Texto de Apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Machado, E. A. (2021). Feedback. Folha de apoio à formação - Projeto de Monitorização, Acompanhamento e Investigação em Avaliação Pedagógica (MAIA). Ministério da Educação/Direção-Geral da Educação. Wenger, E. (1998). Communities of practice: Learning, meaning, and identity. Cambridge University Press.


Observações

Cartaz: design de Violante Romão.

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 14-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 17-02-2023 (Sexta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 24-02-2023 (Sexta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 28-02-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 14-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 21-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 28-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME
184

Capacitação Digital de Docentes - Nível 3

Oficina

 

50.0 horas

 

b-learning

 

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1033.3 Inscrições abertas até 05-03-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117344/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 07-03-2023

Fim: 13-06-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Mário Miguel Pereira Guedes

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

Sessões presenciais / online síncronas: As sessões presenciais/síncronas são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o \x93Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education - guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENEU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-toolLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31.07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 21-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 04-04-2023 (Terça-feira) 18:00 - 22:00 4:00 Online síncrona
4 19-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
5 27-04-2023 (Quinta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
6 16-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 23-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
8 13-06-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME
192

Capacitação Digital de Docentes - Nível 3

Oficina

 

50.0 horas

 

b-learning

 

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1033.4 Inscrições abertas até 05-03-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-117344/22

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 07-03-2023

Fim: 13-06-2023

Regime: b-learning

Local: Escola Secundária Júlio Dantas e Moodle do CFAE Rui Grácio

Formador

Vítor Manuel Noruegas Dias da Rocha

Destinatários

Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Ensinos Básico e Secundário, Professores de Educação Especial. No âmbito do Despacho n.º 2053/2021, publicado a 24 de fevereiro, a ação de formação, releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Plano de Transição Digital na Educação

Razões

O Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores, da Comissão Europeia (DigCompEdu), pretende promover a competência digital (CD) e a inovação na educação. É essencial que os docentes desenvolvam um conjunto de CD, de modo a tirar partido do potencial das tecnologias digitais. Esta ação visa contribuir para desenvolver as competências digitais dos docentes do sistema educativo e formativo nacional (nível 3) e a sua capacidade para implementar estratégias inovadoras de ensino e de aprendizagem. Ambiciona-se criar condições favoráveis a práticas educativas que se revelem promotoras do desenvolvimento de CD dos alunos. Conjuntamente com esta formação, serão submetidas outras duas, articuladas ao nível da progressão dos conteúdos.

Objetivos

Pretende-se desenvolver com os docentes de nível 3 (C1/C2 do DigCompEdu) um conjunto de conhecimentos e de processos que lhes permita potenciar as suas competências digitais na promoção de estratégias e ações inovadoras na comunidade educativa. São objetivos específicos: - formular estratégias pedagógicas inovadoras e promotoras das CD dos docentes e alunos; - capacitar os docentes para a realização de atividades com tecnologias digitais em diferentes modalidades de ensino; - promover o desenvolvimento de ações que contribuam para os Plano de Ação para o Desenvolvimento Digital das suas escolas; - promover e estimular a reflexão, a partilha e a utilização crítica das tecnologias digitais em contexto educativo.

Conteúdos

Os conteúdos da ação surgem, em sentido articulado e incremental, com os conteúdos da formação de nível 1 e 2. - Exploração de documentos de enquadramento das políticas educativas. - Discussão, renovação e inovação na prática profissional. - Reflexão em torno de conceitos relacionados com escolas, professores e alunos digitalmente competentes. - Utilização das tecnologias digitais na colaboração e inovação pedagógica ao serviço da comunidade educativa. - Estratégias e metodologias relacionadas com o desenvolvimento curricular através de ambientes e ferramentas digitais. - Estratégias digitais de caráter científico-pedagógico promotoras do desenvolvimento profissional dos docentes. - Planeamento de atividades didático-pedagógicas promotoras do desenvolvimento da competência digital dos alunos. - Conceção de Planos de Ação para o Desenvolvimento Digital: conceitos, metodologias de desenvolvimento, implementação, monitorização, avaliação.

Metodologias

Sessões presenciais / online síncronas: As sessões presenciais/síncronas são destinadas à exploração do referencial DigCompEdu e reflexão sobre a articulação entre as áreas de competência; à realização de atividades práticas inovadoras num ambiente colaborativo, de partilha e de reflexão; à exploração de ferramentas digitais para o desenvolvimento de atividades de aprendizagem promotoras da colaboração, comunicação, partilha e avaliação; à reflexão crítica sobre o desenvolvimento da componente de trabalho autónomo. Ao longo das sessões conjuntas estimular-se-á a criação e/ou participação e colaboração em comunidades de prática neste âmbito. No trabalho autónomo pretende-se estimular a planificação e conceção de ações que contribuam para a criação dos Planos de Ação de Desenvolvimento Digital, bem como para a sua regular monitorização e posterior avaliação. Na última sessão presencial os formandos apresentarão os resultados dessas atividades, com evidências, proporcionando-se momentos para a partilha e reflexão.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o \x93Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua. A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final individual elaborado e apresentado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia (2020). Blended learning in school education - guidelines for the start of the academic year 2020/21. Disponível em: https://www.schooleducationgateway.eu/pt/pub/resources/ publications/blended-learning-guidelines.htmComissão Europeia (2018). Plano de Ação para a Educação Digital. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0022&from=ENEU Science Hub (2018). Self-reflection tool for digitally capable schools (SELFIE). Disponível em: https://ec.europa.eu/jrc/en/digcomporg/selfie-toolLucas, M., & Moreira, A. (2018). DigCompEdu: Quadro Europeu de Competência Digital para Educadores. Aveiro: UA Editora.Licht, A.H, Tasiopoulou, E., & Wastiau, P. (2017). Open Book of Educational Innovation. European Schoolnet, Brussels. Disponível em: http://www.eun.org/documents/411753/817341/ Open_book_of_Innovational_Education.pdf


Observações

Despacho n.º 2053/2021 - Releva na dimensão científico-pedagógica para a progressão da carreira docente, até ao final do Plano de Transição Digital na Educação / Plano de Capacitação Digital de Docentes, que se prevê em 31.07/2023 .

Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 07-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 21-03-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
3 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
4 09-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 20:30 2:00 Presencial
5 16-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Online síncrona
6 23-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
7 30-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Online síncrona
8 13-06-2023 (Terça-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME
165

Práticas de desenvolvimento curricular e avaliação em Cidadania e Desenvolvimento

Curso

 

25.0 horas

 

Presencial

 

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial

Escola Secundária Júlio Dantas - Lagos

Com a publicação do DL 55/2018, a educação para a cidadania adquire uma nova centralidade no currículo, evidenciada (1) na obrigatoriedade de elaboração e concretização de uma Estratégia de Educação para a Cidadania em cada escola/AE, (2) na criação da componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento - ...
Ler mais Ler menos

Ref. 12110.1 Inscrições abertas até 16-04-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-119075/23

Modalidade: Curso de Formação

Duração: 25.0 horas

Início: 18-04-2023

Fim: 31-05-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Secundária Júlio Dantas - Lagos

Formador

Maria da Glória Carriço de Santana Paula

Destinatários

Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Educadores de Infância, Professores dos Ensinos Básico, Secundário e de Educação Especial. Para efeitos de aplicação do artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação não releva para efeitos de progressão em carreira.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e DGE - Educação para a Cidadania

Razões

Com a publicação do DL 55/2018, a educação para a cidadania adquire uma nova centralidade no currículo, evidenciada (1) na obrigatoriedade de elaboração e concretização de uma Estratégia de Educação para a Cidadania em cada escola/AE, (2) na criação da componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento - integrando as matrizes curriculares de todos os ciclos, níveis e cursos e, finalmente, (3) na discriminação dos domínios da cidadania que servem, complementando-se, o ideal de uma capacitação dos jovens em dimensões nucleares da vida cívica. No início do 3.º ano de aplicação do dispositivo criado pelo DL atrás referido, importa oferecer oportunidades de formação, a todos os docentes, naquelas vertentes que, pela sua relevância e/ou por requererem reflexão e apoio acrescidos, podem ser decisivas para o sucesso das escolas e dos alunos.

Objetivos

- Favorecer a generalização de uma perspetiva de abordagem integrada dos conteúdos de Cidadania e Desenvolvimento - articulando programas, metas, aprendizagens essenciais e propostas dos referenciais -, com base num inventário de condutas observáveis, por áreas de competência do perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória (PASEO). - Incentivar o trabalho colegial de desenvolvimento curricular das equipas educativas, valorizando a plena assunção da componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento como parte integrante obrigatória da matriz curricular-base para cada ciclo e nível. - Articular reflexivamente as disposições contidas nos normativos com as opções das escolas, fixadas nos respetivos critérios de avaliação. - Considerar a relevância das aprendizagens informais e os meios de as incorporar na avaliação dos alunos e da Estratégia. - Apreciar criticamente as práticas em curso e contribuir para o seu aperfeiçoamento, a partir dos elementos de diagnóstico disponíveis.

Conteúdos

O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória (PASEO) e a componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento (7h) 1.1. Mobilização do conceito de competência no âmbito da educação para a cidadania: conhecimentos, capacidades, atitudes/valores; centralidade do agir. 1.2. Áreas de competência do PASEO: condutas sociais que mobilizam competências relevantes na esfera da cidadania (exercício de exploração). 1.3. Modalidades de concretização do carácter transdisciplinar da componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento (1º ciclo; 2º e 3º ciclos; ensino sec.). 1.4. Visão (intencionalidade) subjacente à Estratégia de Escola: a aliança entre o comum (PASEO) e o singular (variáveis de contexto relevantes). 2. Os conteúdos da educação para a cidadania fixados nos documentos curriculares: níveis de articulação compreendendo programas, metas, aprendizagens essenciais e domínios (7h) 2.1. Construção da Estratégia: opções de gestão curricular projetadas para um ciclo longo de escolarização (3+) 12 anos; ligação ao projeto educativo. 2.2. Aprendizagens essenciais, domínios e temas: seleção dos conteúdos relevantes, consideradas diversas modalidades de inserção da componente curricular de Cidadania e Desenvolvimento e as variáveis contextuais relevantes (exercício de exploração). 2.3. Equipas educativas (1): práticas de desenvolvimento curricular (articulação disciplinar com abordagem interdisciplinar \x96 aprendizagens essenciais, domínios, temas, descritores de desempenho). 2.4. Equipas educativas (2): dinâmicas de trabalho pedagógico (seleção e concretização de métodos e técnicas adequados à promoção da qualidade e eficiência educativas), gestão do tempo e avaliação. 3. Avaliação (7h) 3.1. Práticas de avaliação em educação para a cidadania no contexto internacional. 3.2. Orientações fixadas nos normativos (leis, decretos-lei, portarias, informações-prova IAVE) e critérios de avaliação de escola (exercício de exploração). 3.3. Avaliação e classificação. Os observáveis em Cidadania e Desenvolvimento: descritores de desempenho; instrumentos de avaliação; registo e classificação. 3.4. Whole school approach, aprendizagens informais em Cidadania e Desenvolvimento e avaliação da Estratégia. Indicadores de desempenho. 4. Apresentação de trabalhos (4h)

Metodologias

Exploração dos temas propostos, com adequado suporte teórico. Reflexão, análise e discussão em grupo, com recurso a fontes documentais pertinentes. Debate em plenário.

Avaliação

Aplicação do determinado no regime Jurídico da Formação Contínua de professores, Decreto-lei nº 22/2014, de 11 de fevereiro, conjugado com o Despacho nº 4595/2015, de 6 de maio e com o "Regulamento para Acreditação e Creditação de Ações de Formação Contínua". A classificação de cada formando será realizada na escala de 1 a 10 conforme indicado no Despacho n.º 4595/2015, de 6 de maio, respeitando todos os dispositivos legais da avaliação contínua e tendo por base a participação/contributos e o trabalho final elaborado pelos formandos.

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Comissão Europeia/EACEA/Eurydice (2017). A Educação para a Cidadania nas Escolas da Europa – 2017. Relatório Eurydice. Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia.OECD (2018). Preparing our youth for an inclusive and sustainable world. The OECD PISA global competence framework. https://www.oecd.org/education/Global-competency-for-an-inclusive-world.pdfJaap Scheerens (2011). Indicators on informal learning for active citizenship at school. https://link.springer.com/article/10.1007%2Fs11092-011-9120-8LPSD (s/d) Character and Citizenship Education Guiding Document (draft) https://www.lpsd.ca/download/9879Kerr, D., Keating, A. and Ireland, E. (2009). Pupil Assessment in Citizenship Education: Purposes, Practices and Possibilities. Report of a CIDREE Collaborative Project. Slough: NFER/CIDREE.


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 18-04-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 02-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 09-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 16-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
6 23-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 30-05-2023 (Terça-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
8 31-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME
175

Os insetos polinizadores nas nossas escolas

Oficina

 

50.0 horas

 

Presencial

 

Professores dos Grupos 230, 520

Escola Sec. Júlio Dantas e Estação da Biodiversidade - Lagos

O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e a Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania delegam na escola a importante contribuição para formar nos alunos esta consciência de sustentabilidade, da qual depende a continuidade da nossa civilização no planeta Terra. Os valores e ...
Ler mais Ler menos

Ref. 1081 Inscrições abertas até 10-04-2023

Registo de acreditação: CCPFC/ACC-113323/21

Modalidade: Oficina de Formação

Duração: 50.0 horas (25.0 horas presenciais + 25.0 horas de trabalho autónomo)

Início: 19-04-2023

Fim: 07-06-2023

Regime: Presencial

Local: Escola Sec. Júlio Dantas e Estação da Biodiversidade - Lagos

Formador

Paula Virgínia Serra Parreira Banza

Destinatários

Professores dos Grupos 230, 520

Releva

Para os efeitos previstos no n.º 1 do artigo 8.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores, a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 230, 520. Mais se certifica que, para os efeitos previstos no artigo 9.º, do Regime Jurídico da Formação Contínua de Professores (dimensão científica e pedagógica), a presente ação releva para efeitos de progressão em carreira de Professores dos Grupos 230, 520.

Acreditado pelo

CCPFC - Conselho Científico Pedagógico de Formação Contínua

Entidade formadora/Parceria

Centro de Formação Dr. Rui Grácio e Associação A Rocha

Razões

O Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória e a Estratégia Nacional de Educação para a Cidadania delegam na escola a importante contribuição para formar nos alunos esta consciência de sustentabilidade, da qual depende a continuidade da nossa civilização no planeta Terra. Os valores e competências que os alunos adquirem ao longo do seu percurso escolar são cruciais para que a sua intervenção na sociedade seja realizada de forma livre, fundamentada e participada nas grandes questões que preocupam os seres humanos. Um dos princípios fundamentais é a "Educação para a Sustentabilidade", tendo como um dos alicerces o valor da cidadania e participação. Neste sentido, o ensino das Ciências constitui uma componente importante na Educação para a Cidadania e deverá contribuir para que os alunos, enquanto cidadãos, interajam de forma autónoma, consciente e construtiva com a sociedade e o ambiente. Nesta Oficina de Formação propomos abordar as temáticas relacionadas com a Biodiversidade e Sustentabilidade na Terra, tendo como referência o tema da polinização e dos polinizadores. A polinização de plantas com flor realizada por animais é um serviço dos ecossistemas de grande valor para a humanidade. Presentemente existe uma preocupação global relativamente ao declínio dos insetos e muitos estudos comprovam o declínio de insetos polinizadores. Trata-se, portanto, de um tema emergente cuja abordagem poderá, certamente, contribuir para garantir que os processos de ensino-aprendizagem ajudem os alunos a desenvolver formas de relacionamento responsável com os seus concidadãos e, também, com os outros seres vivos.

Objetivos

1. Potenciar atividades de indagação e pequenas investigações, incluindo preferencialmente a utilização de atividades laboratoriais e de campo. 2. Privilegiar atividades práticas suscitadas por situações problemáticas abertas que favoreçam a explicitação das conceções prévias dos alunos. 3. Formulação e confrontação de hipóteses, a eventual planificação e realização de atividades experimentais e respetivo registo de dados, atribuindo especial ênfase à introdução de novos conceitos e à sua integração e estruturação nas representações mentais dos alunos. 4. Aplicação dos conhecimentos adquiridos às competências na área de Bem-estar, Saúde e Ambiente no sentido da promoção, criação e transformação da qualidade de vida do indivíduo e da sociedade. 5. Promover o desenvolvimento e incremento da literacia científica de professores e alunos. 6. Realizar trabalho cooperativo, promovendo um clima de diálogo e de participação entre todos.

Conteúdos

1. Polinização do ponto de vista das plantas (inclui uma apresentação teórica e uma atividade laboratorial de observação de grãos de pólen ao Microscópio Ótico Composto). 2. As principais ordens de insetos polinizadores (inclui uma apresentação teórica, uma mostra de insetos e um jogo de identificação de insetos nas suas respetivas Ordens). 3. Abelhas, abelhões, vespas e afins (apresentação teórica onde se referem as principais características dos insetos relativamente à polinização). 4. Como atrair polinizadores aos nossos jardins (inclui sugestões sobre como atrair insetos polinizadores aos nossos jardins. 5. Borboletas noturnas e borboletas diurnas (apresentação teórica onde se referem as principais características dos insetos relativamente à polinização). 6. Saída de campo à Estação da Biodiversidade de Lagos (com o objetivo de Captura e identificação de insetos das várias Ordens). 7. Elaboração das propostas de trabalho a apresentar pelos formandos (apoiado pelos formadores. 8. Apresentação dos trabalhos dos formandos. 9. Avaliação da Oficina de Formação.

Metodologias

A oficina terá a duração de 25 horas presenciais e três etapas fundamentais: - Uma componente presencial conjunta, onde serão explorados os conteúdos teórico-práticos e a orientação para elaboração de um projeto / implementação de metodologias e/ou materiais pedagógicos. (21 horas presenciais) - Uma componente de trabalho autónomo dos formandos, individualmente ou em grupo: - Implementação de projetos / metodologias / materiais pedagógicos; - Preparação dos materiais para apresentação à turma, na última sessão; - Elaboração do relatório crítico: autoavaliação do trabalho realizado e sua importância no desenvolvimento dos alunos e na melhoria das aprendizagens. (25 horas autónomas) - A oficina terminará com a apresentação e discussão, na última sessão presencial conjunta, do relatório crítico do formando sobre o projeto / metodologias / materiais implementados na prática pedagógica. (4 horas presenciais).

Avaliação

Os participantes procedem à apresentação de um relatório crítico sobre o trabalho desenvolvido e sua importância na motivação, na melhoria das aprendizagens e no desenvolvimento global dos alunos. Avaliação final do formando: - Ponderações: 25% participação nas sessões e 75% para os trabalhos desenvolvidos e relatório final do formando. - Para a avaliação final individual de cada professor será usada uma escala quantitativa de 1 a 10 valores: Excelente - de 9 a 10 valores; Muito Bom - de 8 a 8,9 valores; Bom - de 6,5 a 7,9 valores; Regular - de 5 a 6,4 valores; Insuficiente - de 1 a 4,9 valores. A classificação final e as horas de formação para a progressão na carreira docente constarão no certificado final a emitir pelo Centro de Formação.']

Modelo

A ação será avaliada pelos formandos através do preenchimento de uma ficha online. O formador elaborará um relatório de avaliação do impacto da formação.

Bibliografia

Maravalhas, E. (2000) The Butterflies of Portugal, Ernestino Maravalhas EditorBuchmann, S. L. & Nabhan, G. P. (1996) The Forgotten Pollinators. Washington DC: Island.Steven, F. 2019 Field guide to the Bees of Great Britain and Ireland, Bloomsbury PublishingStuart, B. & Roger, M.2(015) Britain’s Hoverflies- A Field guide revised and updated, second edition, WILDGuidesVanbergen A. J. & The Insect Pollinators Initiative (2013) Threats to an ecosystem service: pressures on pollinators. Frontiers in Ecology and the Environment, 11: 251–259. doi.org/10.1890/120126


Cronograma

Sessão Data Horário Duração Tipo
1 19-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
2 26-04-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
3 03-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
4 10-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
5 13-05-2023 (Sábado) 08:30 - 14:30 6:00 Presencial
6 17-05-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 21:30 3:00 Presencial
7 07-06-2023 (Quarta-feira) 18:30 - 22:30 4:00 Presencial

INSCREVER-ME